Junho Violeta, um mês dedicado à conscientização do combate à violência

Por Redação 19/06/2022 - 20:05 hs

No dia15 de junho é celebrado o Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa, data que alerta para a responsabilidade de cada um na construção de uma sociedade que respeite e garanta os direitos dos 60+.

Você sabe identificar um episódio de violência contra os idosos? Conhece os canais de denúncia? Por mais incrível que pareça, a violência contra a pessoa idosa é uma realidade e precisamos combatê-la.

Infelizmente desde que iniciou a pandemia, houve um aumento expressivo do número de denúncias de casos de violência. Dados do Disque 100 (Disque Direitos Humanos) revelam que, só no primeiro semestre deste ano, mais de 33,6 mil casos de violações de direitos humanos foram registrados contra o idoso no país.

Segundo informações da Organização Mundial da Saúde (OMS), situações de violência contra a pessoa idosa são ações ou omissões cometidas uma vez ou muitas vezes, prejudicando a integridade física e emocional da pessoa, impedindo o desempenho de seu papel social.

De acordo com dados do Disque 100, mais da metade das denúncias de violência contra idosos apontam que os episódios acontecem no ambiente doméstico da vítima; grande parte dos suspeitos de cometer a violência são filhos ou netos. Por isso, valorizar o processo de envelhecimento e fortalecer as redes de apoio são pontos essenciais para promover o exercício coletivo do cuidado e da segurança nas relações cotidianas.

A única maneira para enfrentar, sensibilizar, coibir e amenizar esse sofrimento é a conscientização da sociedade como um todo. Este é o objetivo do Junho Violeta, um mês de reflexões e de celebração do Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa (15), criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e a Rede Internacional de Prevenção à Violência à Pessoa Idosa no ano 2006.

A data alerta para a responsabilidade de cada um na construção de uma sociedade que respeite e garanta os direitos desse público. Devemos nos atentar e denunciar casos de violência contra a pessoa idosa, pois da mesma forma que um dia eles defenderam seus diretos, quando era apenas uma criança, é nossa obrigação defender e cuidar deles.