MP acata pedido de Willian Souza e cobra explicações sobre Hospital Estadual de Sumaré

Presidente da Câmara de Sumaré pediu intervenção do órgão para obter informações sobre cortes no orçamento do hospital e garantir o direito de acesso à saúde pública para a população

Por Redação 12/01/2021 - 21:28 hs

Após haver acionado o Ministério Público, na última sexta-feira (8), em busca de informações sobre o corte de 6,5% no orçamento do Hospital Estadual de Sumaré (HES), o presidente da Câmara Municipal, vereador Willian Souza (PT), recebeu uma resposta, assinada pela promotora de Justiça Luciane Cristina Nogueira Lucas Lo Ré. No documento, a promotora solicita que o superintendente do HES seja oficiado com urgência para fornecer esclarecimentos sobre a situação.

 

Nos ofícios enviados na última semana, Willian Souza solicitou que o órgão intercedesse na situação para que fosse garantido o direito de acesso à saúde pública para a população. O parlamentar condenou o corte, anunciado justamente em época de pandemia e da descoberta recente de uma cepa do novo coronavírus ainda mais contagiosa, aliada ao grande número de aglomeração ocorrida nos últimos meses.

 

Em resposta, a Promotoria determina que Mauricio Wesley Perroud Júnior, superintendente do HES, explique se houve diminuição dos valores do contrato administrativo firmado com o governo do Estado, qual seria o impacto gerado pela medida e qual a data para que se operem as adequações decorrentes da falta de verba. Além disso, o órgão requer que sejam discriminados os municípios que possuem o hospital como referência, solicita informações sobre a existência de pacientes pediátricos crônicos internados em leito pediátrico e questiona qual encaminhamento será dado na hipótese de fechamento desses leitos.

 

Para Willian, "o apoio do Ministério Público é fundamental para questionarmos a medida anunciada pelo governo estadual, que diminui consideravelmente as opções para atendimento da população regional. O Estado de São Paulo necessita de investimentos na área da saúde pública, principalmente no caso do Hospital Estadual de Sumaré, que é um dos maiores da Região Metropolitana”, complementa.

 

O documento solicita ainda que seja oficiado o Departamento Regional de Saúde (DRS VII), para que, diante da notícia veiculada na imprensa de fechamento das alas pediátrica e oftalmológica do HES, indique qual será a referência para tais atendimentos para o município Sumaré. A Prefeitura Municipal também deve ser oficiada pelo Ministério Público para que informe se foi comunicada pela DRS VII sobre o eventual novo fluxo de atendimento pediátrico, e quantos pediatras e leitos existem nas UPAs da cidade, que absorveriam os atendimentos até então realizados pelo Hospital Estadual.a